Sala Ambiente
Planejamento e Práticas da Gestão Escolar

Sala Ambiente
Planejamento e Práticas da Gestão Escolar

Item Anterior Página Inicial Próximo Item
 
   

Referências

ADORNO, T. Planejamento participativo como metodologia libertadora. In: AEC.  Revista de educação. Ano 24, no 96, 1995.

______. Tabus acerca do magistério. In: ADORNO, T. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

______. Teoria da Semicultura. In: Educação & Sociedade, no 56, 1996.

______.; HORKHEIMER, M. Indivíduo. In: ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Temas básicos de Sociologia. São Paulo: Cultrix, 1978.

ANTUNES, R. Reestruturação produtiva e mudanças no mundo do trabalho numa ordem neoliberal. In: DOURADO, L. F.; PARO, V. H. (orgs.). Políticas públicas e educação básica. São Paulo: Xamã, 2001.

APPLE, M. Ideologia e currículo. São Paulo: Cortez, 1986.

ARAÚJO, A. C. de. Gestão democrática da educação: a posição dos docentes. Brasília: Universidade de Brasília, PPGE,  2000 (Mimeo).

AZEVEDO, J. Educação como política pública. São Paulo: Autores Associados, 1997.

BAIA HORTA, J. S. Planejamento educacional. In: MENDES, D. T. (coord.) Filosofia da educação brasileira. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

BENINCÁ, E. As origens do planejamento participativo no Brasil. In: AEC. Revista de Educação. no 96, 1995.

BOBBIO, N. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BORDIGNON, G.; GRACINDO, R. V. Gestão da educação: o município e a escola. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. da S. (orgs.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9.394/96.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

CALAZANS, M. J.; GARCIA, W.; KUENZER, A. Planejamento e educação no Brasil. São Paulo: Cortez, 1990.

COSTA, C.; SILVA, I. Planejamento participativo: prática de cidadania ou cidadania na prática? In: AEC. Revista de Educação. no 96, 1995.

CRUZ, C. H. C. Articulação do plano global com os planos da sala de aula. In: AEC. Revista de Educação. no 96, 1995.

CURY, C. R. J. O público e o privado no Brasil: fronteiras e perspectivas. In: OLIVEIRA, D.; DUARTE, M. Política e trabalho na escola: administração de sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

D’ÁVILA, J. L. P. A crítica da escola capitalista em debate. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

DOURADO, L. F. O público e o privado na agenda educacional brasileira. In: FERREIRA, N. (orgs.). Gestão da educação: impasses, alternativas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000.

______.; COSTA, M. Escolha de dirigentes escolares no Brasil. Relatório de Pesquisa. Série estudos e pesquisas, caderno 4. Brasília: ANPAE, Fundação Ford, INEP. 1998. 

______.; PARO, V. H. (orgs.). Políticas públicas para a educação básica. São Paulo: Xamã, 2001.

FÉLIX, M. F. C. Administração escolar: Um problema educativo ou empresarial. 3 ed., São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1986.

FERREIRA, N. S. C. (org.). Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. São Paulo: Cortez, 1998.

FORQUIM, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 13 ed. São Paulo: Cortez, 1986.

FRIGOTTO, G. O contexto sócio–político brasileiro e a educação nas décadas de 70/90. In: Contexto & Educação. Ijuí: Universidade de Ijuí, no 24, 1991.

FUSARI, J. C. O planejamento educacional e a prática dos educadores. In: Revista ANDE, s/d.

GANDIN, D. A prática do planejamento participativo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GENTILLI, P.; SILVA, T. T. (orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

GIMENO SACRISTÁN, J. Âmbitos do plano. In: GIMENO SACRISTÁN, J. ; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

______. Reformas Educacionais: utopia, retórica e prática. In: SILVA, T. T.; GENTILE, P. Escola S.A. Brasília: CNTE, 1996.

GIROUX, H. Pedagogia Radical: subsídios. Tradução ZIBAS, D. M. L. São Paulo: Cortez, 1983.

GRACINDO, R. V. Estado, Sociedade e gestão da educação: novas prioridades, novas palavras de ordem e novos – velhos problemas. Revista Brasileira de Política e Administração. v.13, no 1, p. 7-18. Porto Alegre: ANPAE, 1997.

______. Os sistemas municipais de ensino e a nova LDB: limites e possibilidades. In: BRZEZINSKI, I. (org.). LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. São Paulo: Cortez, 1997.

______. Projeto político-pedagógico: retrato da escola em movimento. In: AGUIAR, M. A. da S. (org.). Retrato da escola no Brasil. Brasília: CNTE, 2004.

KUENZER, A. Política educacional e planejamento no Brasil: os descaminhos da transição. In: ______.; CALAZANS, J. M.; GARCIA, W. Planejamento e educação no Brasil. São Paulo: Cortez, 1990.

LIMA, L. C. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2001.

LOPES, A. O. Planejamento de ensino numa perspectiva crítica de educação. In: CANDAU, V. Repensando a didática. São Paulo: Cortez, 1992.

LUCAS, R. Democracia e participação. Brasília: UnB, 1985.

LÜCK, H. Estratégia para a ação global e coletiva do ensino. Revista Gestão em Rede, Renageste/Consed, no 3, Paraná: PUC-PR, 1997.

MARTINS, A. M. Gestão autônoma da escola pública. In: 24a Reunião Anual da ANPED. Caxambu, MG: 2001.

MOTTA, F. C. P. O que é burocracia. São Paulo: Brasiliense, 1985.

______. Organização e poder: empresa, Estado e escola. São Paulo: Atlas, 1986.

______.; PEREIRA, L. C. B. Introdução à organização burocrática. 5 ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

OLIVEIRA, D.; DUARTE, M. Política e trabalho na escola: administração de sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

PAIVA, V. (org.). Transformação produtiva e eqüidade: a questão do ensino básico. São Paulo: Papirus, 1994.

PARO, V. H. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1986.

______. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, 1997.

PAZETO, A. E. Participação: exigência para a qualificação do gestor e processo permanente de atualização. v.17, no 72, 2000. p.163-166.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. Os processos de ensino e aprendizagem: análise didática das principais teorias da aprendizagem. In: SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

PINTO, J. B. Planejamento participativo na escola cidadã. Palestra proferida no Seminário Nacional Escola Cidadã. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação, 1994.

RODRIGUES, N. Por uma nova escola: o transitório e o permanente na educação. São Paulo: Cortez, Autores Associados. 1986.

ROSSA, L. O marco referencial. In: AEC. Revista de educação. no 96, 1995.

SANTOS, B. S. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova. no 39, São Paulo: 1997.

SILVA, M. R. Alfabetização: pressupostos para a formação do professor. In: SILVA, M. R. (org.) Ciências, ensino e formação de professores. Toledo: T, 1996.

SILVA, M. S. P. da. Organização do trabalho escolar e as políticas educacionais no limiar do século XXI. In: CICILLINI, G. A.; NOGUEIRA, S. V. (orgs.). Educação Escolar: políticas, saberes e práticas. Uberlândia: EDUFU, 2002.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

______. Teorias do currículo. Portugal: Porto, 2000.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. 7 ed. São Paulo: Atlas, 1989.

TYLER, R. Princípios básico de currículo e ensino. Porto Alegre: Globo, 1974.

VASCONCELLOS, C. S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São Paulo: Libertad, 1995.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus, 1995.

______.; FONSECA, M. (orgs.). As dimensões do projeto político-pedagógico: novos desafios para a escola. Campinas: Papirus, 2001.

______.; RESENDE, L. M. G. de (orgs.). Escola: espaço do projeto político-pedagógico. In: Campinas: Papirus, 1998.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WALLON, H. Los orígenes del carácter. Buenos Aires: Nueva Visión, 1975.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1982.

WILLIANS, R. Cultura. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.